Estrangeiros investem na segurança de Portugal apesar dos alertas da ‘bolha’

//Estrangeiros investem na segurança de Portugal apesar dos alertas da ‘bolha’

Rentabilidade é a palavra-chave para quem pretende investir em Portugal. Especialistas abordaram o momento do setor, onde é necessário tornar o produto mais competitivo e direcionado para o cliente.

Os investidores estrangeiros predominam cada vez mais no setor imobiliário em Portugal, tendo passado a valer no final do primeiro semestre de 2018 qualquer coisa como 82% do total de investidores no setor. Isto apesar de serem cada mais insistentes os alertas sobre o perigo de uma ‘bolha’ imobiliária no país. O peso do investimento estrangeiro no imobiliário nacional esteve em destaque no ‘SIL Investment Pro’, que serviu de lançamento para a 21ª edição do Salão Imobiliário de Portugal, que decorre até ao próximo domingo, 7 de outubro, na Feira Internacional de Lisboa (FIL).

Pedro Seabra, membro da Explorer Investments, uma sociedade independente de gestão de ativos, foi um dos oradores presentes neste evento e referiu que os investidores estrangeiros escolhem Portugal, para realizar os seus negócios por ser “um país seguro para investir, com potencial de crescimento onde o mercado está atrativo e que vai consolidar ainda mais investimento institucional”, com destaque para “vários promotores internacionais de Espanha e França a quererem fazer promoções imobiliárias em Portugal”. Pedro Seabra, afirma que “temos tido o pequeno investidor que tem sido o grande ‘motor’ deste crescimento nos últimos anos”, mas também existe “o investidor que procura com risco desenvolver imobiliário, como o investidor que procura sem risco um investimento seguro e de longo prazo”.

Rui Meneses Ferreira, membro do grupo de investimento Kronos, marcou também presença como orador, resumindo em apenas uma palavra, aquilo que um investidor estrangeiro procura em Portugal é o que procura em outra qualquer parte do mundo: “rentabilidade”, que é originada por vários fatores como “o mercado, o acesso ao crédito e sermos competitivos no produto que fazemos”. Este responsável  abordou em específico o mercado nacional, explicando que “quando falamos do setor imobiliário em Portugal devemos alinhar e ter presente um conjunto de fatores que não vem só do mercado e da sua dinâmica, mas onde há um conjunto de fatores que contribuem positivamente ou negativamente para sermos competitivos”. “Isto é uma coisa que devíamos medir periodicamente”, defendeu Rui Meneses Ferreira.

Por seu turno, Pedro Seabra, encontra algumas diferenças em Portugal, comparativamente aos últimos anos. “Por exemplo, no turismo somos vistos hoje como um destino de luxo, coisa que não éramos antes”, salienta. Já o sócio das Kronos vê um “país diferente, mas não “um setor diferente”. “Os promotores e construtoras desapareceram, o que é um risco neste momento para a nossa atividade. É impossível construir ao preço a que os portugueses querem comprar. É um custo de produção que não existe”, refere Rui Meneses Ferreira, ao mesmo tempo que aponta para novos objetivos. “Há desafios nesse ponto de vista de encontrarmos hoje, quem constrói a um preço competitivo. Há desafios em que o produto é diferente e as pessoas naturalmente procuram produtos exigentes, mas há coisas que hoje funcionam ao contrário. Há muito para trabalhar no ponto de vista do produto, de forma a ter um produto mais competitivo e dirigido ao cliente, que é a única forma de ser competitivo”, advogou este empresário.

Fonte: O Jornal Económico